Riocriativo

O mundo vive um novo cenário de competitividade, em que a produção intelectual, criativa e intangível adquire maior relevância. Para desenvolver o campo da economia criativa, considerado estratégico, a Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro iniciou, em 2008, o planejamento de uma série de ações de mapeamento e fomento aos setores que o integram. A Secretaria reforçava, assim, a expressiva vocação cultural do estado do Rio de Janeiro, sua capacidade de formar e atrair talentos e a condição de um dos principais territórios criativos no Brasil.

Uma das iniciativas foi a criação e gestão da Incubadora Rio Criativo. Considerada a primeira incubadora pública de economia criativa da América Latina, a ideia foi proposta em 2009 e o edital público lançado em 2010, com suporte técnico do Instituto Gênesis, da PUC-Rio. A Incubadora Rio Criativo, nesta primeira fase, foi implantada na capital e na Baixada Fluminense, e oferecida à distância para empreendimentos cujas sedes não fossem localizadas na Região Metropolitana do Estado.

A Incubadora Rio Criativo atende empreendedores e produtores dos 92 municípios do estado que atuem em um ou mais dos 20 setores da Economia Criativa: artes cênicas, música, artes visuais, literatura e mercado editorial, audiovisual, animação, games, software aplicado à economia criativa, publicidade, rádio, TV, moda, arquitetura, design, gastronomia, cultura popular, artesanato, entretenimento, eventos e turismo cultural.

Os empreendimentos selecionados por meio de edital público recebem, ao longo de 18 meses do ciclo de incubação, consultorias estratégicas de profissionais especializados, espaço físico, acesso a cursos, workshops e articulação com o mercado. O formato se inspira nas principais incubadoras e aceleradoras de empresas do mundo, oferecendo consultorias em planejamento de negócios, inovação, financeira, comercial, assessoria jurídica, apoio para a legalização do empreendimento, consultoria em comunicação e marketing, planejamento estratégico, além de treinamentos coletivos em técnicas de venda, técnicas de pitching, propriedade intelectual e gerenciamento de projetos.

Por seu pioneirismo, o Rio Criativo foi citado no Relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad) de 2010 como uma das experiências mundiais mais relevantes de fomento à economia criativa. Em 2012, a Secretaria de Estado de Cultura firmou convênio com o Ministério da Cultura, por meio da Secretaria da Economia Criativa, e o Rio Criativo passou a integrar a rede de Incubadoras Brasil Criativo, programa nacional de fomento às atividades neste campo.

Ainda em 2014 o Rio Criativo lançará o segundo edital da incubadora para selecionar os novos empreendimentos da Economia Criativa que terão a sede nova como endereço.